O uso do carro elétrico está crescendo. Mas como atender a demanda de recarga?

Carregador de carro elétrico (Roseli Andrion)
Compartilhe com seus seguidores

Em 2030, todos os novos carros registrados na Alemanha, por exemplo, devem ser livres de emissão de gases estufa. No Reino Unido e na França, a data é 2040. Na Holanda e Noruega, 2025.

* De Hanover, na Alemanha


Os carros elétricos estão entre os grandes destaques da Hanover Messe, feira de Tecnologia focada na indústria e que acontece em Hanover, na Alemanha. A reportagem do Olhar Digital esteve na feira* para conhecer as novidades e mostrar algumas tendências.

Existe, na Europa, uma preocupação grande com o meio ambiente e, por isso, há metas para acabar com o uso de veículos a combustão: em 2030, todos os novos carros registrados na Alemanha, por exemplo, devem ser livres de emissão de gases estufa. No Reino Unido e na França, a data é 2040. Na Holanda e na Noruega, 2025. E assim por diante ? vários países europeus já têm definições nesse sentido.

Com todos esses planos em franca expansão (em 2017, houve um aumento de 54% nos registros de carros elétricos na Europa, segundo o Kraftfahrt-Bundesamt, o departamento de transporte do governo alemão), uma das maiores preocupações é com a necessidade de carregadores disponíveis.

Uma das empresas que desenvolve esse produto e apresenta as novidades na Hanover Messe é a Siemens. A marca tem carregadores para diferentes necessidades. O novo modelo para espaços públicos, por exemplo, é um totem, com visual moderno, que informa, por sinalização luminosa no topo, qual o estado da unidade. "A iluminação pode ser vista de longe. Quando está verde, significa que está disponível. A cor azul mostra que está em uso. Já o vermelho é para quando está inoperante", explica Norbert Vierheilig, da divisão de marketing e comunicação de Smart Infrastructure. Todas as demais informações da operação são apresentadas em uma tela digital para o usuário.

Outra opção é a nova versão da solução residencial da empresa ? o eMobility Charging Ecosystem, que substitui o wallbox. A Siemens informa que vai lançar o produto em maio, mas ainda não divulga detalhes sobre as especificações e o preço do produto. Mesmo assim, Vierheilig avalia que, ter essa opção em casa, é bastante conveniente para o usuário.

Já a  BMW e a Porsche apresentaram um protótipo de carregador ultrarápido que consegue dar aos carros elétricos uma autonomia de 100 quilômetros com apenas três minutos de carga na tomada. Ou 80% dela em até 15 minutos.

O carregador tem 450 kW e seu uso é grátis para quem mora - ou está passando - pela cidade de Jettingen-Scheppach, na Alemanha. Ele pode ser usado por qualquer veículo que tenha a versão Tipo 2 do sistema de carregamento combinado.

O fato curioso nesse processo é que este novo carregador ultrarrápido oferece mais potência do que os modelos atuais de carros elétricos podem suportar O BMW i3, por exemplo, limita seu consumo de energia a 50 kilowatts. No entanto, a bateria do futuro modelo da marca, o iX3 poderá triplicar essa capacidade para até 150 kilowatts. A notícia ruim é que esta versão só estará disponível em 2020.

Para que os veículos de teste conseguissem aguentar a sobrecarga elétrica, a Porsche usou um sistema de resfriamento que mantém as células da bateria a uma temperatura constante. E isso faz com que se resfrie também os cabos de carregamento. A Siemens proporcionou um carregamento de energia com uma tensão voltagem elétrica mais alta, para testar os limites de carregamento.

Mas, se você tiver um carro elétrico e estiver passando por Jettingen-Scheppach, pode usar o carregador ultrarrápido em questão sem se preocupar se o seu automóvel irá explodir. Isso porque a estação de carregamento adapta automaticamente a quantidade de carga que cada modelo elétrico suporta.

Além da BMW, Tesla e GM também estão desenvolvendo seus carregadores ultrarrápidos  A empresa de Elon Musk trabalhou em um modelo que consegue 80% de carga da bateria em meia hora. Já a General Motors trabalha em um modelo que daria uma autonomia de 290 quilômetros em apenas 10 minutos de carga.

Carro elétrico no Brasil

O Brasil ainda não tem metas estabelecidas para essa transição, mas há um projeto de lei do Senado, proposto em 2017, em tramitação para impedir a comercialização e a circulação de automóveis movidos a combustíveis fósseis. O texto sugere que a comercialização pare em 2030 e a circulação seja proibida em 2040.

O material ainda está em tramitação e, desde fevereiro, aguarda designação do relator da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania. A considerar que a Alemanha tem essa mesma meta e aprovou sua lei há três anos, o Brasil já está bem atrasado (o conteúdo está em análise há quase dois anos!). Mesmo assim, essa tendência parece irreversível em todo o mundo.

* A jornalista Roseli Andrion viajou para Hanover a convite da Siemens.


Carro elétrico Motor a combustão
Curtiu esse conteúdo? Assine nossas newsletters e fique por dentro do que acontece em primeira mão!
Compartilhe com seus seguidores
Assine nossa newsletter!
Parabéns! Sua assinatura foi recebida com sucesso!
Atenção: Em instantes você receberá um email de confirmação da assinatura. Para efetivá-la, clique no link de confirmação que você receberá. Verifique também sua caixa de SPAM, pois por se tratar de um email automático, seu servidor de emails poderá identificar incorretamente a mensagem como não solicitada.