Brad Pitt e Di Caprio: os melhores de cada um

Wharrysson Lacerda
Era uma vez em Hollywood (Divulgação)
Compartilhe com seus seguidores

Discorde agora, ou concorde para sempre

Ainda na esteira do novo longa de Quentin Tarantino, Era Uma Vez em Hollywood, resolvemos fazer duas listas curtas no lugar de uma. Em homenagem ao protagonismo bipartido entre Brad Pitt e Leonardo Di Caprio, indicamos aqui os cinco melhores filmes de cada ator.

Discorde agora, ou concorde para sempre.

BRAD PITT

Copo cheio: Brad Pitt tem um punhado de bons filmes. Copo vazio: quase todos estão na década de 1990. Ainda assim, é um ator que amadureceu bem, e hoje se aproxima de ser inquestionável em determinados papeis. E então, vem o novo filme de Tarantino...

5. Os 12 Macacos (Terry Gillian, 1995)

Bruce Willis é a estrela, mas Brad Pitt quase rouba-lhe a cena quando aparece. Melhor filme de Terry Gilliam e uma ficção científica divertida.

4. Entrevista com o Vampiro (Neil Jordan, 1994)

Pitt e Cruise, a geração dos anos 1980 contracenando com a geração dos anos 1990 em uma espécie de duelo pela beleza imortal. Jordan acerta a mão nesta deliciosa adaptação de Anne Rice.

3. Encontro Marcado (Martin Brest (1998)

A morte chega de diversas maneiras. Melhor que tenha um aspecto bonito pelo menos.

2. Nada é Para Sempre (Robert Redford, 1992)

O segundo longa do ator Robert Redford como diretor comprova sua sensibilidade para dramas familiares, mantendo as qualidades observadas em sua estreia com o premiado Gente Como a Gente (1980).

1. Era uma Vez em Hollywood (Quentin Tarantino, 2019)

Pitt e Di Caprio duelam pela melhor interpretação, mas têm uma concorrente de peso: Margot Robbie. É um filme cheio de piscadelas para amantes do cinema americano, por um diretor que conhece muito bem esse universo.

LEONARDO DI CAPRIO

No duelo fora do filme de Tarantino, Di Caprio ganha, pois tem um maior número de bons filmes. O rosto de menino o atrapalhou um bocado no começo da carreira, mas a parceria com Martin Scorsese fez com que percebessem que ele também é um ótimo ator.

5. Titanic (James Cameron, 1997)

Este é o filme que mostra alguma potência na atuação de Di Caprio. Mas a faceta romântico-melodramática impediu que as pessoas percebessem. A parceria com Scorsese viria cinco anos depois para dar um jeito nessa situação.

4. Os Infiltrados (Martin Scorsese, 2010)

Refilmagem de um policial de Hong Kong que é superior: Internal Affairs (2001). Mas Scorsese exercita sua verve mais modernista, nem sempre com sucesso, mas sempre com garra.

Di Caprio está muito bem como um dos infiltrados, e contracena com outro grande do cinema: Jack Nicholson.

3. O Aviador (Martin Scorsese, 2004)

O segundo melhor filme da parceria com Scorsese mostra o ator vivendo o papel de Howard Hughes, magnata de Hollywood e também aviador. Um filme injustiçado, muito superior ao que pensam seus detratores.

2. Era uma Vez em Hollywood (Quentin Tarantino, 2019)

Após brilhar em Bastardos Inglórios, Di Caprio ganha o protagonista deste longa muito superior do mesmo Tarantino. Como o decadente ator Rick Dalton, Di Caprio impressiona. Principalmente quando ganha o elogio de uma atriz-mirim.

1. Gangues de Nova York (Martin Scorsese, 2002)

O grande rito de passagem, de ator promissor para grande ator. Na pele de Amsterdam, jovem que pretende vingar o assassinato de seu pai pelo feroz Bill the Butcher, Di Caprio contracena com o grande Daniel Day Lewis (como The Butcher) e perde dignamente. Porque qualquer ator contemporâneo perde para Day Lewis.

Sérgio Alpendre

Filmes Cinema Filmes&Series
Curtiu esse conteúdo? Assine nossas newsletters e fique por dentro do que acontece em primeira mão!
Compartilhe com seus seguidores
Assine nossa newsletter!
Parabéns! Sua assinatura foi recebida com sucesso!
Atenção: Em instantes você receberá um email de confirmação da assinatura. Para efetivá-la, clique no link de confirmação que você receberá. Verifique também sua caixa de SPAM, pois por se tratar de um email automático, seu servidor de emails poderá identificar incorretamente a mensagem como não solicitada.