Conhecendo o Pop!_OS Linux: uma distribuição baseada no Ubuntu

Alvaro Scola
Pop!_OS Linux (Reprodução)
Compartilhe com seus seguidores

O Pop!_OS Linux é uma distribuição leve e que tem como foco a facilidade de uso. Conheça mais sobre ela!

Quem procura mais estabilidade para usar o computador, muitas vezes acaba optando por utilizar uma distribuição Linux, que geralmente traz menos problemas em comparação ao Windows. Entretanto, algo que ainda afasta muitos usuários do sistema do pinguimsão é a sua possível complexidade de uso. 


Uma das distribuições que há bastante tempo tenta mudar este cenário fica por conta do Ubuntu, que graças aos seus recursos e popularidade, possui outros sistemas baseados nele como o Pop!_OS, que chegou recentemente até a lançar computadores com ele pré-instalado. A seguir, conheça um pouco mais sobre a distribuição Pop!_OS e quais as suas diferenças em relação ao Ubuntu.

Importante

Apesar de ter máquinas comercializadas com o sistema em sua página oficial, a distribuição do Pop!_OS é gratuita e pode ser utilizada em outros computadores sem precisar de uma licença ou algo do tipo.

Requisitos mínimos e download

Assim como o Ubuntu, para funcionar o Pop!_OS requer que o computador de seus usuários tenha um processador 64 bits. Além dele, também é preciso ter no mínimo 2 GB de memória RAM e 16 GB de espaço para armazenamento.

Já para a primeira diferença entre os dois sistemas, fica a forma pela qual o download do POP!_OS é disponibilizado. A distribuição, no caso, tem duas imagens disponíveis, que são: Intel/AMD ou NVIDIA. Desta forma, é necessário escolher a imagem certa de acordo com a sua placa de vídeo. O seu download pode ser realizado através desta página.

A instalação do sistema

Fazer a instalação de uma distribuição Linux já deixou de ser um processo complexo faz um tempo e o Pop!_OS, apesar de levar como base o Ubuntu, deixa esta parte um pouco mais prática. Então, a instalação do sistema acaba tendo um apelo visual maior e as informações do que está sendo configurado acabam sendo mais claras.

Ainda durante a instalação, o Pop!_OS deixa os dados armazenados na máquina criptografados por padrão, fazendo com que seus arquivos sejam protegidos por senha. Este processo também pode ser feito no Ubuntu, mas não vem habilitado nativamente, assim, é necessário que ele seja realizado de forma manual.

Recurso de reparação

Um dos recursos exclusivos de destaque do Pop!_OS fica por destinar uma partição de recuperação do sistema, similar aquelas vistas em notebooks ou máquina pré-montadas de determinadas marcas. Assim, caso você tenha algum problema com o sistema, basta usar esta função para restaurá-lo.

Apesar de ser um recurso útil, vale lembrar que ele pode não agradar a usuários que tem pouco espaço em disco, já que o Pop!_OS acaba criando uma cópia de sua instalação, que ocupa o mesmo espaço dos arquivos originais.

Diferenças no ambiente gráfico

Ambos as distribuições trazem o Gnome como o seu ambiente gráfico, entretanto, quem utilizar o Pop!_OS deverá sentir falta do dock, que sempre marca presença na área de trabalho do Ubuntu. Outra mudança a ser notada ainda em relação ao visual, também fica por conta do tema adotado, que acaba investindo em cores e ícones diferentes.

Outra diferença visual, como é mostrado na imagem fica também para os ícones dos aplicativos do sistema, como o do gerenciador de arquivos, que prefere adotar tons da cor azul e desenhos diferentes do que é visto no Ubuntu.

Instalação e loja de aplicativos

Mesmo levando como base o Ubuntu, a instalação de aplicativos no Pop!_OS Linux é um pouco diferente. Por exemplo, para instalar programas a partir da extensão DEB, o processo é gráfico e bem prático, mas a interface não é a mesma que é visto no Ubuntu ou em versões derivadas suas como no Linux Mint.

Outra diferença a ser vista aqui, também fica por conta da loja de aplicativos, que não é a mesma do Ubuntu. No caso, a loja do Pop!_OS é a mesma vista no Elementary OS, que também traz uma boa variedade de aplicativos em seu acervo.

Por fim, na questão de instalação de aplicativos, é necessário ressaltar que o Pop!_OS não vem com o Snap pré-instalado, como no caso do Ubuntu. Desta forma, se você utiliza o Snap para instalar aplicativos, será necessário fazer a instalação dele manualmente. Para isto, o próprio site do Snap conta com instruções de como prosseguir.

Aplicativos pré-instalados

Mais uma diferença do Pop!_OS em relação ao Ubuntu fica por conta dos aplicativos, que já acompanham o sistema. Neste caso, o Pop!_OS traz menos programas pré-instalados, tentando manter apenas uma lista do que é essencial.

Por exemplo, o sistema vem a suíte do LibreOffice pré-instalada e o navegador Firefox. Já o cliente de e-mails presente, fica por conta do Geary e o gerenciador de discos é o tradicional Gparted.
Além deles, é claro, ficam apenas as ferramentas padrões, que servem para fazer configurações extras no sistema.

Conclusão

O Pop!_OS se mostra uma boa opção para quem está começando no Linux, que conta apenas com as ferramentas mais essenciais para o dia-a-dia. A sua utilização é bem simples e, o fato do sistema utilizar uma versão mais pura do Gnome, acaba lhe deixando leve e consumindo pouco memória RAM e outros recursos do sistema.

O ponto negativo acaba sendo justamente o fato de o Pop!_OS ter poucos complementos pré-instalados, que podem ser essenciais, como a mencionada ausência do Snap. Assim, quem já possui uma certa experiência com o Linux terá que dedicar um pouco de seu tempo para instalar alguns elementos do sistema, que já vem instalados por padrão em outras distribuições.


Linux Dicas Dicas&Tutoriais
Curtiu esse conteúdo? Assine nossas newsletters e fique por dentro do que acontece em primeira mão!
Compartilhe com seus seguidores
Assine nossa newsletter!
Parabéns! Sua assinatura foi recebida com sucesso!
Atenção: Em instantes você receberá um email de confirmação da assinatura. Para efetivá-la, clique no link de confirmação que você receberá. Verifique também sua caixa de SPAM, pois por se tratar de um email automático, seu servidor de emails poderá identificar incorretamente a mensagem como não solicitada.