Marcos Pontes diz que recursos para CNPq chegaram ao limite

Fabrício Filho, editado por Roseli Andrion
Ministro astronauta Marcos Pontes (Divulgação)
Compartilhe com seus seguidores

Em palestra na Universidade Presbiteriana Mackenzie, ministro astronauta disse que, apesar da situação, não vai cortar bolsas do CNPq e priorizará unidades de pesquisa no país

Marcos Pontes não tem conseguido dormir. Responsável pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), ele confidenciou a dificuldade durante conversa com alunos da Faculdade de Engenharia da Universidade Presbiteriana Mackenzie na noite de segunda-feira (9). Pontes contou para os presentes seu motivo de preocupação: os contingenciamentos no orçamento do MCTIC e, principalmente, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).


A apresentação, em tom de autoajuda, começou com um resumo da história de vida de Pontes. Ele mostra como perseguiu o sonho de ser piloto de caça da Academia da Força Aérea (AFA) mesmo quando ninguém acreditava nele e como se tornou astronauta. "É tudo questão de atitude", avalia. "Talvez poucos aqui saibam, mas eu também sou coach. Aliás, precisamos regulamentar essa profissão", diverte-se.

Depois de conhecer a trajetória pessoal do ministro astronauta, fica fácil perceber aonde ele vai chegar: à defesa com afinco das pesquisas brasileiras nos setores de ciência e tecnologia. Para Pontes, é essencial que elas tenham continuidade. "Elas são extremamente importantes para o desenvolvimento do país", enfatiza.

Esse é um dos motivos, segundo ele, para manter as verbas do CNPq. O ministro relata que o órgão recebeu, para 2019, R$ 784 milhões ? valor insuficiente para cobrir os gastos de R$ 1,58 bilhão do ano. "O que eu podia fazer, eu fiz: preservei as bolsas. Em 5 de setembro, entretanto, mesmo depois de transferir emergencialmente R$ 82 milhões do fomento do CNPq para a manutenção delas, chegamos ao limite de recursos. Infelizmente, não depende mais de mim, mas confio no Paulo Guedes para garantir a chegada de mais recursos."

Pontes conta que já havia alertado o Ministério da Economia (ME), comandado por Guedes, de que a situação ficaria crítica em agosto ou setembro deste ano depois que o MCTIC sofreu um contingenciamento de 42%. "Eu então reclamei e consegui que R$ 300 milhões fossem retornados. Não vou contingenciar unidades de pesquisa, porque elas são essenciais para o sucesso do trabalho do ministério."

E como fica 2020?

Ao ser perguntado sobre o orçamento do ano que vem, Pontes revelou quais áreas o MCTIC deve priorizar. "O ano não vai ser fácil, mas vou priorizar as unidades de pesquisa, como fiz neste ano, e as bolsas, que, pelo orçamento [de 2020], vão estar cobertas. Isso me deixa muito aliviado", explica. 

Recentemente, o Ministério da Educação (MEC) anunciou o "Future-se". A ideia é arrecadar fundos de empresas privadas para universidades que queiram ingressar na iniciativa. Pontes se mostrou favorável a uma presença maior das empresas na educação superior. "Países como Israel ? que aplica 4% de seu Produto Interno Bruto (PIB) em Ciência e Tecnologia ? conseguem 75% desse investimento do setor privado. É isso que pretendemos fazer aqui no Brasil."

O ministro astronauta enfatiza que os recursos destinados a ciência e tecnologia não devem ser vistos como gastos, mas como investimentos. "Todos os países desenvolvidos estão nessa condição porque investiram em ciência e tecnologia no passado. O MCTIC é uma ferramenta para os outros ministérios. Isso é algo que tenho falado bastante e vou continuar falando", relata.

Governo Tecnologia Ciência marcos pontes MCTIC astronauta MEC CNPQ
Curtiu esse conteúdo? Assine nossas newsletters e fique por dentro do que acontece em primeira mão!
Compartilhe com seus seguidores
Assine nossa newsletter!
Parabéns! Sua assinatura foi recebida com sucesso!
Atenção: Em instantes você receberá um email de confirmação da assinatura. Para efetivá-la, clique no link de confirmação que você receberá. Verifique também sua caixa de SPAM, pois por se tratar de um email automático, seu servidor de emails poderá identificar incorretamente a mensagem como não solicitada.