Menu
Editorias

Microsoft pretende zerar emissão de dióxido de carbono até 2050

Microsoft (Imagem: Ken Wolter/Shutterstock)
Compartilhe com seus seguidores

A companhia se tornou parceira de uma empresa norueguesa especialista na exploração de CO2; resultado da pesquisa pode ser vital para o futuro de vários gigantes da tecnologia

Assim como a Apple, a Microsoft também está em busca de soluções para tentar diminuir o impacto gerado por suas atividades no planeta. A empresa de Redmond anunciou na última quarta-feira (14), uma parceria inovadora com a companhia Equinor.


A empresa com sede em Oslo, Noruega, é especialista na questão de exploração de dióxido de carbono, o principal vilão e catalisador de problemas como o aquecimento global. O objetivo desse empreendimento comercial é criar uma estratégia eficaz que ajude a Microsoft a baixar ou até mesmo acabar com a emissão de CO2 nas próximas décadas.

Vale ressaltar a gigante dos softwares já tinha anunciado em janeiro desse ano que tinha como meta investir até US$ 1 bilhão em tecnologias dedicadas a remoção de derivados do carbono. Até o ano de 2050, a Microsoft pretende zerar a emissão de dióxido de carbono caso encontre uma solução viável para o problema.

Investimento bilionário

A partir de agora, a gigante do mundo da tecnologia se tornará uma das principais parceiras da Equinor em uma série de projetos importantes. Um deles, o 'Northern Lights', tem como principal objetivo desenvolver novas técnicas para captura e dispersão de gases. Algo que pode ser relevante para o sucesso da pesquisa, é utilizar o solo oceânico como ferramenta para armazenamento de dióxido de carbono.

Tecnologia em desenvolvimento pela companhia norueguesa pode ser relevante para diversos segmentos da indústria. Imagem: ewg3D/iStock

Segundo o atual presidente da Microsoft, Brad Smith, a nova tecnologia pode ser de vital importância para o futuro de diversas gigantes do setor de tecnologia: "Eu acredito que seremos uma de muitas companhias interessadas em comprar serviços de remoção, captura e armazenamento de derivados de carbono", finalizou.

Além da Microsoft, outras companhias como a Shell, gigante do setor de combustíveis, além do próprio governo norueguês, também estão interessados nas possíveis soluções desenvolvidas pela Equinor. É importante destacar que somente para a primeira fase de pesquisas, o estado norueguês pretende contribuir com cerca de U$ 7 bilhões (praticamentes R$ 40 bilhões). Nesse estágio, a expectativa da Equinor é conseguir armazenar com sucesso até 1.5 milhão de toneladas de dióxido de carbono por ano.

Fonte: Reuters

Microsoft carbono poluiçao emissão de carbono
Curtiu esse conteúdo? Assine nossas newsletters e fique por dentro do que acontece em primeira mão!
Compartilhe com seus seguidores
Assine nossa newsletter!
Parabéns! Sua assinatura foi recebida com sucesso!
Atenção: Em instantes você receberá um email de confirmação da assinatura. Para efetivá-la, clique no link de confirmação que você receberá. Verifique também sua caixa de SPAM, pois por se tratar de um email automático, seu servidor de emails poderá identificar incorretamente a mensagem como não solicitada.