Parlamento europeu aprova lei de direito autoral que ameaça futuro da internet

Gustavo Gusmão, editado por Marcelo Gripa
ethernet (pxhere)
Compartilhe com seus seguidores

Um comitê do Parlamento Europeu aprovou, nesta quarta-feira, uma nova e polêmica legislação de direitos autorais para a União Europeia que pode afetar a internet no mundo. A chamada Copyright Directive ainda será encaminhada a plenário e só depois terá sua versão final votada, mas já é tida como uma ?ameaça iminente? para o futuro da rede global por um grupo formado por 70 especialistas ? incluindo os pioneiros da web Tim Berners-Lee e Vint Cerf, o criador da Wikipedia, Jimmy Wales, e a presidente da Mozilla, Mitchell Baker. A informação vem do TorretFreak.


O motivo principal para a preocupação é um artigo presente no texto aprovado pelo comitê, o 13. Conhecido também como ?filtro de uploads?, ele exige que qualquer plataforma online que recebe uploads de conteúdo precisará monitorar e filtrar os dados para ?identificar e prevenir violação de copyright?. Como explica o The Verge, a lei basicamente pede para que sites, sem especificar o tamanho, adotem um filtro automático similar ao que o YouTube usa para bloquear vídeos que desrespeitam direito autoral.

Como explica Julia Reda, parlamentar do Partido Pirata alemão, caso a lei seja aprovada na forma como está agora, um site que hospeda portfólios de fotógrafos, por exemplo, vai ser obrigado a monitorar e escanear todos os futuros uploads de fotos ? justamente para evitar que uma imagem protegida por direito autoral seja republicada.

Mas quais as consequências disso?

Na teoria, é uma medida que deve ajudar a impedir plágios e a combater a pirataria. Mas, conforme escrevem os 70 especialistas, o problema reside na forma como o artigo está escrito. ?Nenhuma das versões do texto define com clareza ou consistência quais plataformas de internet precisarão segui-la?, diz a carta. ?A incerteza que resulta disso vai fazer com que plataformas online saiam da Europa e as impedirá de oferecer serviços aos clientes europeus.?

Além disso, como argumentam os especialistas, o alto custo para adotar uma solução de monitoramento como a exigida pela lei pode comprometer o surgimento de novos negócios e o desenvolvimento de startups, principalmente na Europa. ?Se houvesse um Artigo 13 quando os protocolos e aplicações principais da internet foram desenvolvidos, é provável que a web não existisse como a conhecemos hoje?, dizem eles no texto.

A lei pode afetar também os usuários finais, já que as tecnologias de filtragem disponíveis atualmente não são 100% confiáveis. Assim, em tese, mesmo que não estivesse compartilhando o arquivo, um usuário poderia ser impedido de subir um vídeo ou uma música em sua conta pessoa em um serviço de nuvem, por exemplo. Paródias, adaptações e até mesmo memes ? que não raro usam são baseados em fotos protegidas por copyright ? também correm risco.

E agora?

O Artigo 13 não é nem o único criticado por especialistas e ativistas, como lembra reportagem do The Verge. A Copyright Directive ainda traz um polêmico Artigo 11, ou ?taxa de link?, que exige que plataformas como Facebook e Google paguem para exibir links de companhias de mídia ? algo que a Espanha já tentou fazer no final de 2014, resultando no encerramento de atividades do Google Notícias no país.

Mas ambos, junto com todo o conjunto de leis, ainda vão passar por plenário e por uma série de debates internos entre legisladores europeus. Só depois desse processo todo ? que pode levar meses ? é que a versão final da legislação será votada e aprovada. E se o exemplo do GDPR por seguido, ainda serão precisos mais alguns anos até que ela entre em vigor.
Internet Web privacidade Europa
Curtiu esse conteúdo? Assine nossas newsletters e fique por dentro do que acontece em primeira mão!
Compartilhe com seus seguidores
Assine nossa newsletter!
Parabéns! Sua assinatura foi recebida com sucesso!
Atenção: Em instantes você receberá um email de confirmação da assinatura. Para efetivá-la, clique no link de confirmação que você receberá. Verifique também sua caixa de SPAM, pois por se tratar de um email automático, seu servidor de emails poderá identificar incorretamente a mensagem como não solicitada.