Passageira relata incômodo ao passar pelo sistema de reconhecimento facial de aeroporto nos EUA

Reconhecimento facial no aeroporto de Atenas (Divulgação)
Compartilhe com seus seguidores

Há uma certa histeria desnecessária por parte do público?

O uso da tecnologia de reconhecimento facial é motivo de inúmeros debates entre defensores e críticos. Essa inovação foi utilizada por uma autoridade brasileira pela primeira vez no carnaval deste ano. Já no exterior, governos da Inglaterra, China dos Estados Unidos estão mais habituados ? pelo menos é o que parecia. Reclamações de uma americana, cliente da JetBlue, companhia aérea de baixo custo dos EUA, suscitaram as questões que envolvem o reconhecimento facial, o armazenamento de dados dos cidadãos e quem tem o direito de usá-los. As queixas foram dadas via Twitter. 


MacKenzie Fegan começou: "Eu acabei de embarcar em um voo internacional da @JetBlue. Em vez de escanear meu cartão de embarque ou entregar meu passaporte, olhei para uma câmera antes de poder descer pela ponte. O reconhecimento facial substituiu os cartões de embarque sem que eu soubesse? Eu consenti com isso? "

A JetBlue respondeu a usuária na rede social: "Você pode optar por sair desse procedimento, MacKenzie. Desculpe se isso fez você se sentir desconfortável". A companhia aérea explicou que "A informação é fornecida pelo Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos."

A questão para Mackenzie era entender como uma empresa privada de repente tinha direito e acesso aos seus dados, a ponto de fazer toda a documentação desnecessária. A JetBlue insistiu que não tem acesso aos dados. "O processo transmitido com segurança ao banco de dados de proteção alfandegária e de fronteira".

A JetBlue encaminhou para a cliente um artigo sobre o assunto. No entanto, a frase "não há pré-registro necessário" contribuiu ainda mais para o incômodo.

Especialistas avaliaram que as informações do passaporte já estavam no banco de dados. A única diferença no ocorrido é que as máquinas olham para um rosto e fazem a relação, e não para uma foto de passaporte.

A JetBlue não é a única companhia aérea que já está usando reconhecimento facial. A Delta, uma concorrente, afirma que "você economizará" nove minutos inteiros .

Aqueles que problematizam o reconhecimento facial alegam que um rosto é diferente de um passaporte. Não existe a opção "não apresentar sua face". E o sistema faz uma relação entre aparência e dados. Trata-se não apenas de nomes completos, mas de uma gama muito ampla de informações sobre o cidadão. 

 

 

 

reconhecimento facial EUA
Curtiu esse conteúdo? Assine nossas newsletters e fique por dentro do que acontece em primeira mão!
Compartilhe com seus seguidores
Assine nossa newsletter!
Parabéns! Sua assinatura foi recebida com sucesso!
Atenção: Em instantes você receberá um email de confirmação da assinatura. Para efetivá-la, clique no link de confirmação que você receberá. Verifique também sua caixa de SPAM, pois por se tratar de um email automático, seu servidor de emails poderá identificar incorretamente a mensagem como não solicitada.