Menu
Editorias

Pesquisadores encontram vírus desconhecidos em geleira na Sibéria

Rafael Rigues
Vírus (Urfinguss/iStock)
Compartilhe com seus seguidores

Organismos foram congelados há 15 mil anos. Aquecimento global e derretimento das geleiras podem liberar organismos desconhecidos, e colocar a saúde da humanidade em risco

Pesquisadores dos EUA e da China encontraram tipos de vírus nunca vistos em amostras de gelo formado há 15 mil anos em uma geleira no Tibete. Recolhidas há 5 anos, as amostras foram analisadas em laboratórios e os resultados da pesquisa foram anunciados em 7 de janeiro em um artigo publicado no site biorxiv.


O estudo de amostras de gelo antigo é algo comum, já que elas funcionam como uma ?cápsula do tempo?. Na Antártica, cientistas estudam núcleos coletados a dezenas de metros de profundidade para entender, por exemplo, a composição de nossa atmosfera há milhares de anos.

Já o estudo dos vírus é mais raro, em parte por causa de seu tamanho. Seu genoma se degrada com o tempo, e qualquer contaminação externa, por menor que seja, pode acabar ?ofuscando? traços de um microbioma (vírus e bactérias) antigo.

Para conduzir sua pesquisa, os cientistas tiveram de desenvolver um novo método para descontaminar as amostras de gelo antes da análise. Isso envolve raspar uma camada de 5 mm ao redor do núcleo, e lavar o restante com água e etanol. No total os cientistas encontraram amostras de 33 grupos virais, 28 dos quais são desconhecidos para a ciência.

Mas o aquecimento global e derretimento das geleiras pode prejudicar a pesquisa e trazer riscos à humanidade. Além da contaminação das camadas expostas ao ambiente, há a possibilidade de que vírus e bactérias extintos há milhares de anos na natureza, e que podem hibernar por milhares de anos, ?acordem? e infectem humanos e animais.

Em 2016 o derretimento de camadas de solo permanentemente congelado (permafrost) na Sibéria levou à liberação de esporos de Anthrax, que infectaram e mataram 2 mil renas e hospitalizaram 96 pessoas.

Segundo Scott O. Rogers, autor do livro Defrosting Ancient Microbes: Emerging Genomes in a Warmer World, "os perigos armazenados no gelo são reais e, com o aumento no derretimento das geleiras em todo o mundo, os riscos da liberação de micróbios patogênicos também estão aumentando".

Fonte: Vice

Aquecimento global Saúde Medicina Vírus Pesquisa
Curtiu esse conteúdo? Assine nossas newsletters e fique por dentro do que acontece em primeira mão!
Compartilhe com seus seguidores
Assine nossa newsletter!
Parabéns! Sua assinatura foi recebida com sucesso!
Atenção: Em instantes você receberá um email de confirmação da assinatura. Para efetivá-la, clique no link de confirmação que você receberá. Verifique também sua caixa de SPAM, pois por se tratar de um email automático, seu servidor de emails poderá identificar incorretamente a mensagem como não solicitada.