Menu
Editorias

Review do Stadia: como é a nova plataforma de games do Google

Alvaro Scola
Google Stadia (Fernando Bonet)
Compartilhe com seus seguidores

Nova plataforma para rodar jogos desenvolvida pelo Google surpreendeu nos testes por sua qualidade. Saiba o que achamos dela!

O Google Stadia é um dos serviços mais promissores para os gamers, que com ele tem a chance de ter acesso a vários jogos de uma forma mais acessível. Isso é claro, ocorre por conta de o serviço fazer o streaming dos games, o que elimina a necessidade de um hardware potente para rodá-los, mas exige uma conexão com a internet estável.


Apesar de ainda não estar disponível para o Brasil e nem ter uma previsão de chegada por aqui, o Olhar Digital teve a chance testar um pouco do Google Stadia. A seguir, confira nossas primeiras impressões sobre o novo serviço do Google para jogos.

O primeiro teste no PC

Antes de relatarmos de como foi a nossa experiência ao rodar o Google Stadia no computadoré necessário ressaltar que você precisa de uma conexão com a internet, que se for Wi-Fi, deve estar preferencialmente na frequência de 5GHz para evitar travamentos, lentidões e outros tipos de problemas, como o seu manual sugere.

Para o primeiro teste, o Olhar Digital rodou o Google Stadia no PC e, devido a distância entre o PC e o roteador, o primeiro jogo que rodamos foi em uma conexão na frequência de 2.4 GHz com uma velocidade média de 27Mbps. Surpreendentemente, apesar de não seguir o tipo de conexão recomendada, o resultado foi bem aceitável e só tivemos alguns pequenos travamentos ao tentar rodar o Destiny 2. Ainda assim, esses travamentos não eram contínuos e a jogabilidade não chegou a ser muito prejudicada.

No segundo teste, ainda no PC, foi utilizada uma conexão cabeada, que também ofereceu ótimos resultados e uma experiência ainda mais fluída. 

Algo também interessante, ao usá-lo no PC, é que você não precisa ficar restrito ao controle do próprio Google Stadia. Assim, como é possível notar em nosso vídeo, foi utilizado um joystick do PlayStation 4, que foi reconhecido de primeira e sem a necessidade de instalação de drivers ou algo do tipo. Inclusive, algo bem interessante, é que até os botões que aparecem nos menus dos jogos já mudam de acordo com o controle usado.

O Google Stadia no celular

Para a segunda rodada de testes do Google Stadia, nós optamos por testá-lo em uma plataforma mobile. Assim, nós rodamos o serviço em um aparelho topo de linha desse ano, o Pixel 4, que também é do Google. Por enquanto, o Google Stadia só é compatível com os aparelhos Pixel 2, 3, 3a e 4, além de tablets com o Chrome OS.

Um pouco diferente do que ocorreu no PC, ao rodar o Google Stadia em uma rede de 2.4GHz não foi uma boa experiência, onde a latência se tornou um problema. Entretanto, já ao ir para a rede de 5GHz a experiência mudou por completo e poder jogar algo do nível de Destiny 2 no celular foi algo incrível, inclusive, a experiência aqui foi melhor do que com o Chromecast, que abordaremos com mais detalhes logo em seguida.

Em relação a qualidade de imagem vista, aqui, também não tivemos problemas, sendo que o tamanho da tela do celular e sua alta resolução até acabaram contribuindo para os gráficos do jogo. Infelizmente, ainda estávamos sem o suporte que acopla o controle ao celular para completar nossa experiência.

Algo também interessante a ser notado ao jogar no celular, é que seu aplicativo possui uma função ?Resume?. Assim, por exemplo, ao parar de jogar um game no celular, quando você volta a abrir o aplicativo do Stadia, é possível continuar exatamente de onde havia parado. Entretanto, existe um limite de tempo para fazer uso dessa função, que deve girar em torno de 5 minutos.

O Google Stadia no Chromecast Ultra

Esta última opção do Google Stadia deve agradar mais os donos de videogames, sendo ideal para ser utilizada em televisores. Aqui, o Chromecast Ultra, assim como seus antecessores é conectado a uma porta HDMI da televisão e precisa ter a sua fonte conectada a uma tomada, que também é a responsável por permitir uma conexão cabeada com o aparelho. Diferente do que acontecia em modelos anteriores, um contra dessa nova versão é justamente a impossibilidade de alimentá-lo por uma porta USB.

O teste realizado no Chromecast Ultra foi feito com uma conexão cabeada, que estava com uma velocidade média de 690Mbps. Jogar o Tomb Raider com ele acabou sendo uma experiência bem satisfatória e sem problemas com comandos bem responsivos.

Ao jogar o Destiny 2 nela, entretanto, não foram notadas lentidões, mas a latência parecia não estar perfeita em determinados momentos. Apesar de ser algo bem sútil, no vídeo abaixo é possível notar alguns atrasos nos comandos de pulos ou para atirar, que são ocasionais.

Algo a ser notado no Stadia, é que o seu controle pode ser conectado nas frequências de 2.4 ou 5 GHz. Em nosso teste, até chegamos a alternar entre essas frequências, mas na prática o resultado era praticamente o mesmo, sem grandes diferenças visíveis. Inclusive, uma pequena crítica aqui fica para a forma de conectar o controle ou acessar suas opções de sincronia, já que a documentação do produto não aborda esse assunto de forma clara.

Assim como foi mencionado para o caso do Destiny 2 e do Tomb Raider, em relação a imagem, apesar de existirem relatos com críticas em relação a ela na internet, nós não notamos nenhum tipo de problema em nossos testes. E, também vale lembrar, que utilizamos a resolução 4K para eles. Também é importante dizer, que o próprio Google Stadia avalia constantemente a qualidade da sua conexão para adequar a qualidade de sua imagem a ela.

O controle do Google Stadia

O controle do Google Stadia, ao menos visualmente, lembra um pouco o Pro Controller do Switch e um de seus pontos positivos é o layout de seus botões, que fazem com ele lhe pareça familiar desde a sua primeira utilização. Os seus direcionais funcionam extremamente bem, enquanto os seus botões, apesar de serem macios e responsivos, são um pouco barulhentos.

Em relação ao seu tamanho, ele é um pouco maior do que o Dual Shock 4 do PlayStation 4, mas ainda é bem confortável e não é exageradamente grande. Mas é claro que ele poderia ter alguns pequenos extras como um trackpad incorporado, que facilitaria uma ou outra tarefa.

Já na questão de bateria, em aproximadamente quatro dias com o produto utilizando-o por duas horas durante o dia ainda não foi possível esgotar a sua carga, isso mesmo sem fazer uma recarga completa.

Jogos com qualidade pré-definida

Diferente do que acontece ao rodar um jogo no PC, o Google Stadia segue a mesma limitação dos videogames. Então, por exemplo, não é possível fazer qualquer alteração nas configurações dos gráficos dos jogos, tudo já vem pré-definido.

Outro detalhe a ser notado, é que o Google Stadia suporta a frequência máxima de 60 quadros por segundos, ou seja, quem utiliza um monitor gamer ou televisão com frequências maiores não poderá usufruir desse benefício. Por fim, ainda nesse quesito, o Google Stadia também não tem o suporte para monitores ultra-wide.

A loja do Stadia

A loja do Stadia pode ser acessada atualmente apenas a partir do celular por seu aplicativo, o que significa que no PC, você pode apenas acessar os títulos que possui. De forma geral, a loja tem uma resposta bem rápida para os comandos, sendo mais rápido do que em certos videogames.

Entretanto, um ponto negativo ao menos nesse começo, é que a loja não possui uma barra para fazer buscas ou até mesmo filtros. Enquanto o catálogo ainda é pequeno, esse problema não chega a ser grande, mas são recursos básicos e que precisam ser implementados em breve.

Outro ponto interessante da loja também fica para a opção do BuddyPass, que permite a um amigo seu ter o acesso ao Stadia, inclusive, sem a necessidade de ter o controle oficial da plataforma. Ainda assim, ao menos em nossos testes, a função não estava disponível para ser utilizada.

Conclusão

Após nossos primeiros testes, nós temos a sensação de que o Google Stadia é realmente uma plataforma promissora e que funciona bem na maior parte do tempo. Entretanto, é claro que ainda existe espaço para alguns ajustes, como ter uma latência mais estável para determinados títulos.

Já a sua loja também mostra que está em estágio inicial e aguardamos mais títulos nela. A sua interface é boa, assim como o seu tempo de resposta, mas algumas funções extras precisam ser implementadas como a busca e a possibilidade de fazer compras em qualquer plataforma em que o Stadia está sendo utilizado.

A análise do Google Stadia feita pelo Olhar Digital foi feita com a contribuição do Fernando Bonet, que mora em Londres e adquiriu a versão ?Founder?s Edition? do produto para uso pessoal.


Google review Stadia reviews Google Stadia
Curtiu esse conteúdo? Assine nossas newsletters e fique por dentro do que acontece em primeira mão!
Compartilhe com seus seguidores
Assine nossa newsletter!
Parabéns! Sua assinatura foi recebida com sucesso!
Atenção: Em instantes você receberá um email de confirmação da assinatura. Para efetivá-la, clique no link de confirmação que você receberá. Verifique também sua caixa de SPAM, pois por se tratar de um email automático, seu servidor de emails poderá identificar incorretamente a mensagem como não solicitada.